Posts Tagged 'fonte de vinho'

Caminho de Santiago – Capitulo 2 – o FEDEX do caminho

…acordamos cedo e enquanto alongávamos um pouco as pernas antes da partida, o amigo Inglês se aproximou e fez um estranho pedido. Depois de tanto falar de amor na noite anterior ele confessou que tinha conhecido uma espanhola e que estava apaixonado, mas como teve que ficar por conta das bolhas da filha, ele se perdeu dela sem nenhum contato…como nós estávamos de bicicleta ele imaginou que possivelmente a alcançariamos e me entrgou um bilhete caso nós encontrassemos com ela. Achei o pedido muito estranho e até desconfiei, falei que achava muito difícil com tantas trilhas e vilas de nos encontrarmos. Ele insistiu e fez a descrição dela. Nos despedimos e seguimos em direção a Estella.Subida para Estella

Muitas subidas depois (poe subida nisso)  chegamos em Obanus, fizemos uma parada para visitar uma tia do Paulo que mora lá…fizemos um belo lanche e seguimos nosso caminho. Na saida da cidadezinha, vejo uma mulher com a descrição feita pelo Inglês. Me aproximei e perguntei seu nome…quando ela confirmou eu quase não acreditei…entreguei o bilhete e segui em frente. Fiquei imaginando o que isso tudo significava…

Nosso próxima parada seria em Puente La Reina – onde o caminhos se tornam um só….passada a cidade e novamente na trilha, fomos abordados por um senhor que disse que teríamos que ficar ali por 3 horas pois seria feita uma explosão no caminho e ninguém estava autorizado a passar. Aproveitamos para comer e descansar. Uma hora depois chegam dois holandeses que se sentam e começam a conversar conosco. Logo depois o Paulo dorme e um dos holadeses também. Fiquei de papo com o outro que me contou que rodava o mundo estudando arte, cultura e espiritualidade de diferentes raças. Foi um ótimo papo…dai contei para ele o caso que acabara de acontecer do bilhete entregue.

Puente La Reina

Puente La Reina

Ele adorou a historia e pediu para fazer o mesmo…escreveu um bilhete, cortou um pedaço de pano onde embrulhou o papel e amarrou com uma pulseira que usava. Pensei, uma vez ok, sorte, duas vezes…nem pensar…não vou achar nunca…virei a FEDEX do caminho de Santiago…havia um detalhe que facilitaria meu delivery A menina dessa vez andava acompanhada de um burro (jumento)…sim, ela tinha um problema nas c

Magrela e Favela (bikes) carregadas

ostas que não a permitia carregar uma mochila, dai ela resolveu levar um burro!

Estrada liberada e vamos em frente, meia hora de pedal e aparece a subida mais sofrida até aqui, impossivel pedalar, como as bikes estavam muito pesadas na traseira elas teimavam em empinar. Empurramos muito e finalmente Estella.

Fomos procurar uma bicicletaria, pois o meu pneu tinha que ser calibrado 3 vezes por dia , isso não era normal. Imaginando ser um problema da camara, comprei uma novinha, mas o dono da bicicletaria disse que vendia mas não instalava. Então sentamos em frente a loja e trocamos, agora sim sem problemas.

Fomos para o albergue, onde conhecemos tres senhoras brasileiras que estavam bem cansadas, mesmo assim uma nos acompanhou no jantar, o papo dela era meio chato e so falava em grana. Depois do jantar fomos ligar para casa e ver a internet no unico computador do albergue.

Agora a viagem já mudou completamente de clima…já não estamos mais tão ansiosos e parece que tudo de uma maneira ou de outra faz algum sentido. Penso nas pessoas que conhecemos, um atleta paraolímpico que depois de um acidente que quase lhe custou a vida mostra que deu a volta por cima…um Pai dedicado e apaixonado pela vida…um estudante de espiritualidade de outras raças e por fim uma mulher que só pensava em grana. Não temos nós um pouco de cada? ou foi o vinho do jantar que me deixou pensativo?

Dia seguinte saimos as 7:30, com um pouco de dor nas pernas, fomos para um lugar que estavamos muito curioso, a fonte de vinho de Irache, as 8:00 da manha estavamos brindando. Na saida não acreditei…meu pneu estava furado pela 5 vez. Tentamos arrumar mas não dava mais o pneu já estava em caco.

Fonte de vinho

Fonte de vinho

Peguei a bike do Paulo e voltei até a bicicletaria de Estella para comprar um pneu novo. Parece que o vendedor sabia e guardava um sorriso no canto do rosto. Parecia que se vingava por termos ficado sentados trocando pneu na frente da loja dele. Voltei para Irache, montamos a Magrela e saimos…500 mts a frente um homem grita para não seguirmos aquele caminho pois não era apropriado para biciletas e sofreriamos muito…pensamos um pouco e vimos um casal voltando dizendo que não dava para encarar a subida. Resolvemos ir pelo caminho indicado…fazendo o jogo do contente, se não tivesse furado o pneu não teriamos essa informação.

Como essa estrada era mais plana, recuperamos o tempo perdido e paramos para comer um bom pão com presunto…minutos depois esse pão me fez de vitima…tive uma baita dor de barriga e prcisei recorrer a uma hospitaleira de um albergue para poder “me recuperar”. Mais uma vez pelo lado bom, ela passou varias boas informações do trecho a frente.

Chegamos a Burgoño e enquanto “explorávamos”o local, vimos uma mulher chorando e fomos saber do que se tratava…ela chorava pois estava muito cansada e não poderia ficar ali com seu burro…eu disse burro….sim era a mulher que o holandes havia me falado…quando disse que tinha um bilhete para ela…ela simplesmente não acreditou. Nunca vou saber o que estava escrito, mas ela me olhou, sorriu, agradeceu e foi embora.  Seguimos para Navarrete e depois de uma bela garrafa de vinho…sono….


Flickr Photos

Meu Twitter

Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 3 outros seguidores


Audax Randonneurs São Paulo

Ciclismo de Longa Distância

DESAFIO RURAL

Ciclismo de longa distância por terra - Cicloturismo e afins

WordPress.com

WordPress.com is the best place for your personal blog or business site.

%d blogueiros gostam disto: